Exportação e importação: um potencial a ser explorado

 

Sempre é uma tarefa árdua e complexa encontrar novos mercados. Atuar no mercado internacional, por exemplo, é um desejo de muitas empresas e é natural que gestores tenham dúvidas sobre quais são as melhores formas de importar e exportar seus produtos. Pensando nisso, o presidente do conselho consultivo da Unindústria e proprietário da Deholog, Antonio Carlos Carbonari Junior explicou um pouco mais sobre esse processo.

De acordo com Carbonari, não há diferença se a empresa atuará no exterior ou no Brasil, uma vez que o desafio se torna maior quando ainda não se tem montada a sistemática comercial. No caso mais tradicional, para importação e exportação, alguns caminhos de entrada passam por grandes grupos, que devem se questionar quanto à internacionalização das empresas: necessidade de matéria prima escassa; instabilidade de preços no mercado nacional; excesso de produção e não absorção no mercado interno; especificidade de serviços ou produtos e plano de expansão contemplando o processo de abertura de mercado internacional.

No comércio exterior, Carbonari destaca algumas fontes que se pode utilizar de forma rápida, como sites governamentais, por exemplo Ministério da Indústria e Comércio e Brasil Export., os quais podem direcionar por meio de dados econômicos sobre os países para os quais pretende explorar para internacionalização da empresa. Outra mecânica interessante, desenvolvida pela Secretaria de Comércio Exterior, é o Radar Comercial. Essa ferramenta torna possível analisar e consultar dados relacionados à exportação e importação em diversos países. “Este site orienta as empresas na seleção de mercados e produtos com maior potencial de oportunidades de negócios em várias partes do mundo. Não podemos esquecer de entidades como Apex, que podem orientar o empresário, inclusive na busca por clientes no exterior”, explicou.

Além destas dicas, web e revistas especializadas podem dar um caminho adicional ao empresário. No entanto, Carbonari lembra que estas são ferramentas iniciais ao processo. De forma mais efetiva, participar de eventos e feiras internacionais, tem melhores resultados, principalmente se estejam em sua área de prospecção, tanto expondo como visitando. Todo esta operação, de acordo com ele, adianta bastante o processo de internalização pois investiga potenciais parceiros comerciais, distribuidores, consumidores finais, bem como oportuniza visualizar as tendências e concorrentes do mercado pretendido.

Nesse sentido, missões como as orientadas pela Unindústria são fundamentais para quem quer se inserir no mercado internacional. Integrar uma missão comercial bem montada, além de abrir novos negócios, também propicia oportunidades impares de novos negócios. “Ao final, um caminho bastante utilizado na prospecção internacional estão as tradings compay, em que representantes internacionais, por meio de comissionamento, podem abrir caminhos rápidos e de forma econômica as operações das empresas que procuram acessar o comercio exterior”, explicou.

Tem interesse neste assunto ou gostaria de saber mais sobre as missões internacionais da Unindústria e como elas funcionam? Faça contato conosco! Realizamos viagens de negócios por meio de feiras nacionais e internacionais e você pode participar da próxima. No vídeo abaixo, você pode conferir outras dicas que o presidente do conselho consultivo dá sobre comércio Internacional, abordando a questão de tecnologia e qualidade dos produtos.

Compartilhe

Receba nossas novidades